google-site-verification: google229f114e74a2ee01.html

 

Translate this Page

Rating: 3.8/5 (7697 votos)




ONLINE
1





Partilhe este Site...




ATÉ QUANDO?
ATÉ QUANDO?

Mais uma vez chega pela mídia a informação de um jovem que teria se matado pouco depois de ter ingressado em uma “seita satanista”.

Basta assistir ao video para perceber as palavras de sempre, as acusações fúteis e descabidas, sem qualquer respaldo, apenas palavras.

É muito fácil se referir a satanismo ou seita satânica da forma que eles fazem, genericamente, quando sabemos da existência de uma infinidade de seitas e de vertentes não só satanistas, mas de todas as crenças e religiões.

Mais fácil ainda é um evangélico usar um episódio trágico e lamentável como esse para disseminar a calúnia e a ofensa contra os que não servem ao mesmo deus que eles, que não acreditam no que eles pregam.

É mais fácil simplesmente por a culpa no “diabo” do que admitir o fracasso na relação familiar, na rejeição de um filho que não deseja seguir o mesmo caminho religioso que seus pais e por isso vive reprimido de todas as formas, intimidado, sufocado, impedido de seguir um caminho diverso daquele que seus pais acham que é o melhor para ele.

E observem que é sempre assim, falam em seita satânica, falam que o filho foi induzido por esses supostos satanistas a se matar mas não especificam, não mostram a verdade. Se o jovem realmente ingressou em uma seita satânica e foi induzido por eles a tirar a própria vida porque não agem diretamente contra essas pessoas?

No aspecto jurídico, suicídio não é crime, mas a indução, a instigação e o auxílio ao suicídio são penalizados pela lei. Por que então não denunciam essas pessoas, se é que existem, para que respondam judicialmente por seus atos criminosos?

Esse fato deveria servir de alerta não contra os satanistas, mas contra os próprios cristãos fanáticos e intolerantes que não dão a seus filhos a liberdade de serem o que quiserem, de serem os donos de suas vidas, não só no aspecto religioso mas também no pessoal. É função dos pais orientar, proteger e cuidar de seus filhos, mas isso não inclui a opressão, a imposição e a predominância de suas vontades e de suas ideias sobre eles.

No final de mais esse fato trágico e lamentável fica a inegável dor de uma família que perde o seu filho e a manipulação dessa família pela mídia tendenciosa, pelos líderes religiosos fanáticos e pelos oportunistas de plantão de toda a espécie.

 

Hail Satã!

 

topo